PREVENÇÃO

A Prevenção ao uso Nocivo de Drogas é um dos grandes desafios da Política Pública sobre Drogas, tanto no cenário Federal quanto nos estados e municípios. Acreditamos que a efetiva prevenção é fruto do comprometimento, da cooperação e da parceria entre os diferentes segmentos da sociedade brasileira e dos órgãos governamentais, federal, estadual e municipal, fundamentada na filosofia da “Responsabilidade Compartilhada”, com a construção de redes sociais que visem a melhoria das condições de vida e redução dos condicionantes de vulnerabilidade. As ações preventivas devem ser pautadas em princípios éticos e pluralidade cultural, orientando-se para a promoção de valores voltados à saúde física e mental, individual e coletiva, ao bem-estar, à integração socioeconômica e a valorização das relações familiares, considerando seus diferentes modelos.


Em observância à  Política Nacional  e Estadual sobre Drogas, à Política Nacional sobre o Álcool e à Resolução CONAD nº 01/2014, com os seguintes objetivos alvo:
•     coordenar programas, projetos e ações de prevenção do uso nocivo de álcool, tabaco e outras drogas, bem como programas projetos e ações de reinserção social e produtiva de dependentes químico para o estado de Minas Gerais;
•    elaborar e implantar as diretrizes de reinserção social e produtiva, observando o caráter transversal da legislação que rege a política sobre drogas e fomentando a articulação intra e intersetorial inerente ao tema;
•    formular estratégias articuladas com os vários níveis de gestão e de controle social da Política Estadual sobre Drogas, com ênfase na proposição de ações nos municípios no que compete à prevenção do uso nocivo de drogas e à reinserção social e produtiva de dependentes químicos;
•    assessorar tecnicamente os municípios no que tange à elaboração e implementação de programas, projetos e ações de prevenção do uso nocivo de álcool, tabaco e outras drogas e reinserção social de dependentes químicos, fomentando o planejamento de ações territorializadas de promoção da qualidade de vida e redução das vulnerabilidades pessoais e sociais para o abuso de drogas;
•    cooperar para a elaboração e revisão dos Planos Municipais de Prevenção do Uso Nocivo de Drogas;
•    cooperar para a implementação de espaços de construção participativa de saberes acerca dos fatores de proteção junto aos indivíduos e suas comunidades, reforçando o empoderamento do cidadão nos processos de tomada de decisão;
•    identificar ativos sociais que favoreçam a implantação de programas, projetos e ações de prevenção e reinserção social de dependentes químicos;
•    planejar e coordenar campanhas de educação preventiva, em caráter universal, cumprindo o calendário de datas comemorativas, bem como as campanhas específicas da prevenção do uso nocivo de drogas e gerenciar a implementação de programas de diálogos comunitários para a prevenção do abuso de drogas.